domingo, 31 de janeiro de 2010

Egipto campeão africano

O Egipto venceu a 27ª edição da taça das nações em futebl, ao vencer hoje, na final, o Ghana, por 1-0, em partida disputada no estádio 11 de Novembro, em Luanda.Com fogo de artifício e muita emoção, a claque do Egipto soltou pela primeira vez o grito de vitória no Estádio 11 de Novembro, celebrando como até antão não fizera o golo de Gedu, aos 85 minutos.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Angola qualificada



Manuel Jose diz - agora vai comecar o CAN para os jogadores. O treinador falava na intervista a televisão pública de angola
A selecção nacional qualificou-se hoje para os quartos de final do CAN2010, como primeiro colocado do grupo A, ao empatar sem golos com a Argélia no estádio 11 de Novembro, em Luanda.
Os argelinos ficaram em segundo superando o Mali que, embora tenha vencido o Malawi,por 3-1, sou superado no sistema de desempate.
Esta é a segunda vez que Angola se qualifica para esta fase da prova, depois do Ghana2008.

Força Angola

domingo, 17 de janeiro de 2010

Seleccionadr angolano considera jogo com Argélia o mais difícil


O seleccionador nacional Manuel José apontou o jogo frente a Argélia, a disputar-se segunda-feira no Estádio Nacional 11 de Novembro, em
Luanda, o mais difícil, por se tratar de um encontro decisivo para qualificação ou não dos Palancas Negras.
Falando em conferência de imprensa, na antevisão do desafio com os argelinos, o técnico português disse que o adversário deverá entrar com a máxima força, porque precisa vencer para garantir a qualificação sem depender de terceiros, ao passo que o empate apura os angolanos.
Deste modo, Manuel José considera o desafio, referente a última jornada da primeira fase, mais difícil que os anteriores, tendo em conta a sua importância
e carácter decisório.
Sublinhou que conhece bem a selecção argelina, destacando o facto de possuir jogadores muito altos e ser eficaz nas bolas paradas. “Eles são mais altos, mas nós somos baixos e mais rápidos, ao contrário do adversário, jogamos de pé para pé praticando um bom futebol”, frisou.
Reiterou a intenção de terminar em primeiro lugar do grupo A para continuar a jogar em Luanda. “Se acontecer, vamos jogar com o Ghana ou Burkina Faso”,
salientou, acrescentando que se tiver que jogar em Cabinda, caso termina em segundo, também contará com o apoio dos angolanos.
Angola e Argélia defrontam-se segunda-feira, às 17 horas, no Estádio Nacional 11
de Novembro. Os angolanos, com quatro pontos, lideram o grupo, seguido pelo
Malawí e argelinos com três pontos cada e Mali com apenas um.
Fonte-angop

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Delegação angolana assiste exéquias das vítimas de atentado de Cabinda


Luanda - Uma delegação governamental angolana assistiu hoje, em Lomé, Togo, às exéquias das duas vítimas do atentado terrorista de 08 de Janeiro, em Cabinda, contra a comitiva togolesa que deveria participar na Taça de África das Nações Orange Angola2010.
Momentos após os funerais, a comitiva, chefiada pelo ministro das Relações Exteriores, Assunção dos Anjos, e integrada pelo titular da pasta da Saúde, José Van-Dúnem, o assessor diplomático da Presidência da República, Carlos Alberto Fonseca, entre outros altos funcionários do Estado angolano, foi recebida pelo presidente togolês, Faure Gnassingbe.
As autoridades locais, segundo uma fonte oficial angolana, salientaram publicamente a forma inequívoca como o governo angolano qualificou o “hediondo atentado terrorista” contra a caravana do seu país.
Desde a noite de quinta-feira em Lomé, a delegação foi recebida com muita cordialidade pelas autoridades, entre as quais o chefe da diplomacia do Togo, Esaw Hoffi, salientou.

Palancas mostram veia goleadora


Luanda – A selecção nacional mereceu na noite de quinta-feira elogios do público que acompanhou ao vivo, no Estádio Nacional 11 de Novembro, o jogo de encerramento da segunda jornada do Grupo A do CAN2010, diante do Malawi.

Sorrisos, gritos e abraços foram as manifestações mais observadas nos quase 50 mil apoiantes dos Palancas Negras, destacando-se o Presidente da República, José Eduardo Santos, tendo aplaudido os jogadores que se empenharam a fundo para vergar a formação do Malawi (2-0), até então líder da série, com 03 pontos.

Falando à Angop, no final do encontro, que pôs os comandados de Manuel José na liderança (04 pontos), adeptos salientaram que a exibição da selecção convenceu e fez esquecer o sofrido empate a quatro golos contra o Mali registado no jogo de abertura oficial da prova.

Zé Alberto, um dos milhares que empurrou a selecção à conquista da primeira vitória, considerou que Angola apresentou um futebol agradável e podia dilatar o resultado, esperando pela entrada de Zé Kalanga e Job nos próximos desafios.

Estou contente, como todo mundo aqui. A vitória era esperada, mas contava ver mais um golo, o do Mantorras”, referiu.

A mesma opinião foi partilhada pelo adepto Dodó, que esperava ver os Palancas marcarem quatro tentos, à semelhança do primeiro jogo contra o Mali.

Estava à espera que Angola marcasse mais dois. Vaticinava que o Mantorras marcasse o terceiro e o Manucho fechasse a goleada. Mas já está bom”.
O cidadão confessou que lembrou o desaire contra o Mali, no qual Angola sofreu quatro golos em pouco tempo, mas estava crente que nesta quinta-feira a sorte do jogo tenderia para os angolanos.
Esse foi o sentimento geral da claque organizada da selecção nacional que contou com o apoio de jovens, crianças e adolescentes.

Fonte-angop

domingo, 10 de janeiro de 2010

Estrelas" continentais exibem-se em palcos angolanos


Benguela - Pela primeira vez no seu historial o país reúne, a partir de hoje, dezenas de “estrelas” do futebol africano com o propósito único de lutar pela conquista do maior troféu da modalidade a nível do continente.

Atletas de referência de várias zonas do continente (16 selecções participam do torneio) terão a difícil e “inevitável” tarefa de rivalizar, em quatro estádios modernos (construído para a prova), procurando cumprir os objectivos da sua presença, em particular, e das respectivas selecções em solo angolano na 27ª da Taça de África das Nações.

Os adeptos do futebol certamente terão os olhos postos em jogadores como o ivoiriense Didier Drogba, o ghanense Michael Essien, o camaronês Samuel Eto’o (melhor marcador da história dos CAN com 16 tentos); o nigeriano Obafemi Martins; o egípcio Mohamed Zidan; o maliano Frederic Kanoté e o togolês Emanuel Adebayor, que constituem as principais referências. Mas o CAN não se resumirá a esses, pois tem ainda atletas que despontam nos mais variados campeonatos europeus, e não só, como Seydou Keita (Barcelona), os irmãos Kolo e Yaya Toure (Manchester City e Barcelona), Diara e o guarda-redes Kameni (Espanhol de Barcelona).

O veterano Kanu e jovens talentos, alguns em afirmação e outros ainda promissores, como o camaronês Alexandre Song, de 22 anos de idade, médio defensivo do Arsenal da Inglaterra, André Ayew (20 anos, Ghana) que actua no AC Arles-Avignon de França, Dominic Adiyiah (20 anos, Ghana), Ahmed Al Muhammadi (22 anos) do ENNPI do Egipto) e os anfitriões Djalma Campos, do Marítimo de Portugal e Job, do Petro de Luanda (ambos com 22 anos de idade) farão igualmente parte da maior competição do futebol africano em solo angolano.

Cientes das responsabilidades que pesam sobre si e das dificuldades a encontrar, os atletas supra-citados, e outros, terão que se empenhar para, em apenas três jornadas, ajudar as suas selecções a garantirem continuidade na prova. Equipas há que “se contentam” a traçar como meta os quartos-de-final, algumas almejam qualquer um dos três lugares do pódio, enquanto outras não hesitam em afirmar que, em alta competição, apenas o título interessa.

Se por um lado a presença em palcos nacionais de tantas estrelas anima os adeptos locais, por outro pode-se considerar que constitui motivo de profunda reflexão sobre aquilo que será o desfecho do campeonato, uma vez que “velhos ditados teóricos” atribuem favoritismo a conjuntos aparentemente mais bem “alimentados” em termos de valores futebolísticos, ou seja, atletas.

Nesta linha de pensamento, há ainda o factor “casa”, que em situações do género é tido como “chave”, mas, em muitos casos sem sucesso, pois em 2008, na 26ª edição, no Ghana, craques como Muntari, Agogou, Essien e Happya actuaram no seu território, o público muito puxou, mas não foram capazes de levar a selecção além do quarto lugar.

Manucho Gonçalves, Flávio Amado, Pedro Mantorras e companhia são as estrelas” que farão esta noite, a partir das 20:00, as honras da “casa” a Kanoute, Diara e Seydou Keyta, lançando o desafio de Angola fazer melhor, ou pelo menos igual, em relação a última edição, onde chegou quartos-de-final.

Até ao último dia deste mês o futebol africano vai dominar o dia-a-dia dos angolanos e visitantes.

O Egipto, campeão em título, terá tarefa bastante difícil para manter o troféu após a prova em terras dos “Palancas Negras”, sendo que a apetência anda a volta de candidatos como Cote d’Ivoire, Camarões, Nigéria e Ghana. Angola, embora não tenha se pronunciado de forma muito clara quanto ao título, pode também ser
incluída entre os candidatos.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Destino sem volta

Como isso acabou
E tudo passou
Que mal eu fiz
Para não ser feliz,

Saudade de querer voltar
Ver de perto aquele amor
Que tanto me fez saltar
E curou-me da dor,

A dor inesquecível
A saudade de querer voltar
Destino sem volta
Aquilo que nunca sonhei

Será! Que viver sem voltar
Sem ver os seus olhos
Perto dos meus
Sendo vizinho da felicidade,

È tanta a saudade de querer voltar
Mais sei que o nosso destino é sem volta,
Hoje vivo! Sem te esquecer
Sem se querer fugires da minha memória.

Tradução- Florentino Calei
Escrito por- Ricardo Calengue


sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Bispo é condenado por abuso sexual


Argentina

Buenos Aires - A Justiça argentina condenou quarta-feira o bispo católico Edgardo Gabriel Storni a oito anos de prisão por abusos sexuais cometidos quando comandava a arquidiocese da cidade de Santa Fé.

A juíza María Amalia Mascheroni condenou Storni "por abuso sexual agravado por sua condição de sacerdote" em um processo iniciado pelo ex-seminarista Rubén Descalzo em 2002.

Descalzo acusava o bispo de ter cometido os abusos no seminário e durante retiros espirituais em 1992.

"Ele me convidou a ir ao seu apartamento", disse o ex-seminarista em seu depoimento. "Quando cheguei, só havia uma luz acessa. Ele me deu um abraço longo e me beijou."

Outros seminaristas realizaram denúncias semelhantes, mas elas foram arquivadas devido ao tempo entre o crime que teria ocorrido e o início do processo.

O caso envolvendo o ex-arcebispo ficou conhecido nos anos 1990 e gerou ainda mais polêmica no ano 2000, a partir de uma denúncia publicada no livro Nuestra Santa Madre (Nossa Santa Mãe), da jornalista Olga Wornat.

Dois anos mais tarde, o então arcebispo renunciou ao cargo e mandou uma carta ao papa João Paulo 2º negando as acusações.

Pouco depois, Storni foi substituído no posto de arcebispo da cidade de Santa Fé e seu pedido de aposentadoria foi atendido. Actualmente, ele mora em uma casa da Igreja na província de Córdoba.

O advogado de Storni diz acreditar que o ex-arcebispo deverá cumprir prisão domiciliar por ter mais de 70 anos de idade.

Fonte angola prees-Angop