segunda-feira, 18 de março de 2013

Arrumar um Parceiro na Alemanha

Há dois momentos importantíssimos em um relacionamento: a conquista e a hora H. É claro que tudo o que envolve esses pontos chave também tem seu valor, mas sem esses dois momentos eles não existiriam.
E para saber o que mais chama a atenção das pessoas ou o que mais decepciona na hora H, o site alemão C-date fez uma pesquisa com usuários. Os resultados não foram surpreendentes, mas podem ajudar muita gente entrar na linha.
Leia também:
Plástica vaginal antes dos 15 anos. O que está acontecendo com nossas garotas?
Vegetarianos têm vida sexual mais intensa
Qual seu lugar preferido para fazer sexo?

No momento da conquista, o que atrai a atenção é o olhar (38%). Ok, isso parece resposta de quem está querendo ser educado e agradar o perguntador. Mas sabe o que ficou em segundo lugar? Reparar nas partes íntimas (32%)! Parece mais sincero, não?
Também há os que se interessem pela boca do outro, afinal é uma parte bastante importante para um relacionamento, e a sensualidade – lembrando que esse conceito muda de pessoa para pessoa. Cada uma delas teve 15% das respostas.
Depois de passar pela fase de conquista, a hora H pode mudar tudo. E tem algumas coisas que são, realmente, inaceitáveis nesse momento. E os usuários do site não pensaram duas vezes antes de colocar a boca no trombone.
Mais da metade do grupo, 52%, diz que o mau cheiro pode destruir tudo em um piscar de olhos. Depois dele, com 27%, vem o mau hálito, porque não dá para seguir em frente com alguém com um cheiro horrível vindo da boca.
Mas 16% dos entrevistados disse que não repara em nada disso e apenas segue em frente com o relacionamento. Será que está tão difícil assim arrumar um parceiro na Alemanha?

sábado, 16 de março de 2013

No coquetel do Tchuna baby


 
 
Estes são aqueles dias que as mulheres estão mas avarentas, egoístas, interesseiras, gananciosas, não tinha me dado conta que estes são os últimos dias da terra
Então eu numa daquelas amizades, encontro uma daquelas jovens que eu acho interessantes
Boto a conversa em dia
Eu -Eu sou o dino
Ela -Eu sou a …………
Eu -Então achei você interessante Ela- obrigado
Decorrendo da conversa, e nos separamos
Só depôs dei conta que o que me despertou nela foi o Carção muito curto, vi que muitas mulheres usam este tipo de roupa e logo pensei elaserá que é vulgar !!! Não respondeu o meu coração
Depôs vai um telefonema acho que algumas mulheres praticam uma das burrice mas burra
Por favor podes me enviar um saldo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Burrrrrrra
Tempos difíceis ainda acho que algumas mulheres do nosso Pais precisam ser educadas de novo  
 
 

sexta-feira, 15 de março de 2013

O descabele da sociedade Lobitanga

O sequestro do pequeno Artur aconteceu em Outubro do ano passado o adolescente de 13 anos de idade que morava no bairro da Caponte um bairro muito conhecido e polémico no lobito.

            Quando o pequeno foi sequestrado no ano passado toda gente se apercebeu ali veio o descabele dos dirigentes da nossa pacata cidade, porque o pai do pequeno é muito conhecido na urbe da nossa cidade a policia preferiria fazer as suas investigações pedindo a sociedade pra se calar e para não se envolver que penso eu ser falta de experiência da nossa policia que eu tanto respeito
                           
       Hoje pequeno 15 de Março Artur apareceu morto no quintal de uma casa no bairro do lobito velho presumindo a polícia que seja o seu primo um dos sequestradores Visto de longe e ao meu pensar, quem descobriu não e a polícia foi a família do adolescente depôs de uma informação muito importante do tio da vítima. A minha pergunta é o que a nossa policia fez desde Outubro!!!!!!?       
                  
        Até hoje o que mas me admira é esta morosidade da nossa polícia desde Outubro até hoje Março já se passou 6 messes numa cidade onde toda gente se conhece! Foi um crime bárbaro que eu culpo a polícia e a própria família que sinto muito por eles

                                              Florentino Calei-15-03-2013

DESABAFO

Achei que era caso acabado: esse pais cheio de dor. Um sufoco interno, um horror deslocado, essa falta sem causa e sem falta de amor. Quem me manda, sou eu? Se não eu, quem mandou? O que faz essa angústia nascer, e crescer, tomar conta? O que faz o meu ser já não ser como sou? Eu não sei. E não sabem, nem podem dizer Se é gene, emoção, ou um pouco de cada dino explica, e complica, mas difícil é entender o meu pais Que, sozinho, eu não mando na própria jornada Eu achei que já sabia ser feliz sem nada: cloridratos, ansiolíticos, e o poder da palavra. Eu pensei conhecer os degraus dessa escada Com dois passos pr'a frente e um pr'a trás, quem não trava? Mas, que adianta chorar, reclamar dessa estrada Hoje sei que é assim, sei que não é o fim. São alguns miligramas por dia, e está feita a parada E, ao menos, enfim, eu me sinto mais dono de mi. ( Florentino Calei)

sábado, 9 de março de 2013

Estrada nacional 100

Os quebra-molas são o alerta para a proximidade de um posto fixo da Polícia. Barra do Kwanza e rio Longa são os mais. A segunda fase da campanha nacional de sensibilização rodoviária, sob o lema “Peão consciente é peão seguro” já foi lançada pela Direcção Nacional de Viação e Trânsito no município da Catumbela, província de Benguela. O conselheiro do comandante geral da Polícia Nacional para sinistralidade rodoviária, comissário José Manuel Silva afirmou, na ocasião, que os acidentes de viação ceifaram muitas vidas e enlutaram famílias, o que pode ser evitado, se o homem cumprir com as regras convencionadas. Em 2012 1.592 pessoas morreram e 4.238 ficaram feridas em todo país, afirmou o conselheiro do comandante geral da Polícia Nacional para Viação Trânsito, comissário José Manuel Silva. Sem avançar dados comparativos em relação a 2011, o responsável, apelou à população para uma melhor reflexão sobre as causas dos acidentes. O conselheiro exortou ainda ao envolvimento da sociedade, quer na condição de condutor como de peões, a dedicar-se mais no cumprimento das leis de trânsito para que as acções de sensibilização, educação e formação sejam sempre imprescindíveis para a redução da sinistralidade rodoviária.