quarta-feira, 3 de agosto de 2011


O meu sonho
e uma madeixa dos teus cabelos
sufocada ao luar de uma noite
cansada de amor
O meu sonho
somos nós, tu e eu
no corcel da vida
à procura do sol
Falo do sonho, amor
do nosso sonho
em que brincamos com crianças não paridas
com esperanças sangrando desesperanças
O meu sonho

és tu, Minda-a-Mulata
sonhando com a vida e morrendo
em tempo de fome farta
e a guerra a acabar
(ou a reatar?)
O meu sonho
é sonho de mar
as ondas indo e vindo
do fim do Mundo
as aves a voar

4 comentários:

Jorge disse...

Olá Florentino,
Belo poema, que encerra um sentimento muito forte, muito intenso.
Abraço,
J

garoto cientista disse...

Gostei do poema, ando meio sumido, mas foi bom aparecer. Um ótimo final de semana.

Hana disse...

Menino onde anda vc!!
Saudades

Anónimo disse...

o negocio e muito complicado como parece!
pedimos uma nova tentativa ao endereco mail:
hb.ludwig@gmx.de