quarta-feira, 18 de agosto de 2010

EUA bloqueiam contas da ANIP e da Embaixada angolana em Washington


O Departamento do Tesouro do governo norte americano iniciou um processo que o levará a encerrar as contas bancárias da Agência Nacional de Investimento (ANIP) e da Embaixada angolana em Washington, no próximo dia 9 de Outubro, caso as autoridades angolanas não esclareçam as solicitações que lhe foram endereçadas, a cerca de duvidosas transferências monetárias em bancos americanos.

Fonte: Club-k.net

Luanda ignora Departamento do Tesouro

A medida do governo norte americano é associada a transações monetárias “pouco claras” efectuadas pelas autoridades angolanas cujo ponto de hibernação envolve o caso de um ex-governador do BNA, Aguinaldo Jaime, que em 2002 tentou transferir 50 milhões de dólares, de uma conta do BNA no Citibank em Londres para uma conta de um amigo togolês residente na Califórnia.

Não obstante, o caso ter sido alvo de discussão no senado norte-americano, o governo americano instou as autoridades angolanas a explicar os motivos e os propósitos das transferências. De acordo com o que o Club-k.net, apurou, Luanda não respondeu e o Departamento do Tesouro iniciou o processo de encerramento da conta da ANIP, no Citibank e a da missão diplomática angolana no banco HSBC.

Ambas a instituições (Embaixada e ANIP) foram informadas por cartas pelo que se desconhece a reacção das mesmas. Há conhecimento de que o Gabinete do DG do Serviço de Inteligência Externa de Angola, Oliveira Sango teria conhecimento de dados mas que carecem de elementos de precisão.

De lembrar que num relatório de sete páginas, datado de 18 de Março, a que o Club-k.net, teve acesso, o Departamento do Tesouro reclama que Angola não esta a comprometer-se com as normas do corpo de branqueamento de capitais e luta contra o financiamento do terrorismo, vulgo AML/CFT (Anti-money laundering and combating the financing of terrorism). O documento informa que o governo angolano não tem respondido aos pedidos do Grupo de Acção Financeira, vulgo The Financial Action Task Force – FATF que é o padrão global para definição do corpo de branqueamento de capitais e luta contra o financiamento do terrorismo.
Há cerca de 6 anos atrás, o Banco HSBC já havia reclamado a cerca de transferências de “altas” somas não declaradas que entravam na conta da embaixada de Angola em Washington. As reclamações do HSBC coincidiam, numa altura em que o então Director dos Serviços de Inteligência Externa, Fernando Miala teria ordenado a transferência de valores a conta da embaixada que seriam, posteriormente canalizadas em beneficio de José Paulino dos Santos “Zedu”, filho do PR angolano.

Imagem de Angola afectada com denuncias de corrupção ~

A imagem de Angola no exterior tem sido prejudicada com o crescente registro de caso de corrupção. A Transparency International coloca Angola como 19 dos países mais corruptos do Mundo. Na semana passado saiu no principal jornal da Noruega (Aftenposten), e no da Bélgica (Dewereldmorgen), noticias baseadas num relatório de autoria do jornalista Rafael Marques denunciado casos de corrupção e trafico de influencia envolvendo figuras do gabinete do Presidente José Eduardo dos Santos.

5 comentários:

SAM disse...

Florentino,

é lamentável o que ficamos sabendo e vendo cada vez mais: a crescente , desavergonhada e maldita corrupção, que é tão penosa e humilhante para os cidadãos de bem e a honra de toda uma Nação.


Beijos.

Maria José disse...

É sempre produtivo mostrar o que está acontecendo em nosso país, estado ou cidade. Grande abraço, meu amigo.

HSLO disse...

Passando pra te desejar uma ótima semana.
abraços

Saozita disse...

Estimado Florentino, não imaginas a pena com tomo conhecimento destas notícias. O povo Angolano é que paga todas essas irregularidades.
O povo é que sofrerá as consequências da ganância de alguns! A corrupção é um mal que grassa em todo mundo, uns mais que outros, e é motivo de descrédito para uma Nação!

Tem uma boa noite.
Bjs

Lofa Kakumba disse...

É necessário entender a origem desses garimpeiros que de forma mercenária vão servindo por Angola. Penso que já não é necessário mercenários em prol do desenvolvimento de Angola, portanto, é preciso que saibamos que pode compra-se um Bilhete de Identidade angolana, entretanto a genuina angolanidade não é comercializada, mas sim, está no sangue de cada angolana original.